Biografia Vinicius de Moraes

Robert Nesta Marley, nascido a 6 de fevereiro de 1945, no vilarejo de Nine Miles, localizado no município de St.Ann, ao norte da ilha

Ludwig van Beethoven

Ludwig van Beethoven (1770-18270) para criar suas músicas despejava água gelada sobre a cabeça

Ouvir música faz bem ao coração, aponta pesquisa de cardiologistas

Música é a combinação de ritmo, harmonia e melodia, de maneira agradável ao ouvido.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

A VOLTA DO VINIL


Em um mundo cada vez mais digital, os discos de vinil, que marcaram época, retornam ao mercado com força total e também impulsionam a venda de toca discos e agulhas. Em São Paulo, o comércio disparou e o mercado dos chamados “bolachões” só cresce.Eles voltaram. Os discos de vinil, LPs, ou simplesmente “bolachões” estão na moda de novo, depois de 20 anos fora do mercado, dominado pelos CDs. Hoje, em livrarias, o vinil já convive lado a lado com os CDs e ganha cada vez mais espaço.   “É um pouco de saudosismo. É um pouco de conhecimento das pessoas mais jovens que começam a adquirir musica através do vinil, então eles acabam pulando o CD, saindo do digital e indo diretamente para o vinil”.Durante anos, o disco de vinil reinou nas vitrolas do mundo todo. Surgido no final da década de 40, o LP (abreviação de long play) sempre esteve presente na indústria musical, sendo o principal meio de divulgação do artista para o seu público. O LP tem seu charme: desde a qualidade de som até o tamanho, pode trabalhar a arte em suas capas e encartes especiais. Por muito tempo, apenas o vinil permaneceu no mercado. Seu primeiro concorrente - não tão forte - surgiu em meados dos anos 60, o K7 (a fita cassete). A novidade era o recurso de poder gravar e regravar suas músicas preferidas, mas não com a mesma qualidade que o "bolachão" possuía.Na noite, os DJs ganharam nome nas danceterias tocando seus vinis de uma forma especial, mixando e fazendo scratches. O DJ Marky se deu bem na sua autenticidade e conquistou o cenário fora do país. A tecnologia continuou avançando e apareceu o verdadeiro concorrente de vinil, o CD ( compact disc), no final dos anos 80. A princípio, olharam como um ótimo negócio, desde sua praticidade até a gravação, já que ele tirou os ruídos do LP na hora de executar seu som por meio da agulha no toca-discos. No Brasil, o CD foi tão bem aceito que, aos poucos, as gravadoras deixaram de fabricar seus LPs e K7s, e deixaram reinar nas prateleiras a mídia digital. Os equipamentos das casas noturnas também mudaram e, assim, trocaram as picapes pelos CDJs. Foi ótimo para os DJs, que gastavam uma boa grana para adquirir discos importados por apenas uma música exclusiva.

Twitter Facebook Favorites